FECHAR
 
 
Eis-me aqui, Senhor!

No 4º Domingo da Páscoa celebramos o Dia Mundial de Oração pelas Vocações. Nesta ocasião, a Igreja convida todos os fiéis a rezar pelas vocações sacerdotais, religiosas, missionárias, matrimoniais e outras. 


Com este Dia de Oração pelas Vocações queremos, através das pastorais ordinárias de nossas comunidades, percorrer um caminho de serviço às vocações, para que cada batizado descubra, com gratidão, o chamado de Deus e encontre coragem para dizer “sim”. A comunidade orante há de vencer o individualismo e conduzir os vocacionados a ofertar a própria vida ao Senhor, pelos irmãos e pelo mundo inteiro.


Para estimular esta necessária prática de orar pelas vocações, nossa Diocese de Uruguaiana estabeleceu um Ano Vocacional Diocesano. Neste período visamos “impulsionar na diocese um revigoramento em sua dimensão vocacional, despertando comunidades e agentes para uma cultura vocacional” (objetivo do Ano Vocacional). Para inspirar esta atividade buscamos um lema no Evangelho de Lucas, quando cita a resposta da Virgem Maria ao anjo Gabriel: “Eis-me aqui, Senhor!” (cf. Lc 1,38).


“Eis-me” significa estar disponível para o Senhor, é o antídoto contra uma vida insatisfeita, à qual sempre faltará algo. “Eis-me” significa acreditar que a vontade de Deus importa mais. Significa escolher apostar no Senhor, dócil às suas surpresas. Dizer ao Senhor “eis-me aqui” é um dos mais belos brados de louvor. Que bênção seria todas as manhãs, em oração, dizer: “Eis-me, Senhor, que hoje se cumpra em mim a tua vontade!”. 


Como é bela a oração de Maria: “‘Faça-se em mim segundo a tua palavra’. Não diz: ‘Faça-se em mim segundo a minha vontade’, mas ‘segundo a tua’. Não põe limites a Deus. Não pensa: ‘Dedico-me um pouco a Ele, despacho-me e depois faço o que eu quiser’. Não, Maria não ama o Senhor quando lhe apetece, de modo descontínuo. Vive confiando completamente em Deus. Eis o segredo da vida. Tudo pode quem confia totalmente em Deus” (Papa Francisco). 


Maria vence esta primeira tentação de satisfazer seu próprio ego ao dizer o seu “eis-me”! Quantas meninas contemporâneas de Maria viveram colocando-se em primeiro lugar? Quem são elas hoje? Por que dois mil anos depois estamos falando de Maria? Olhemos para a beleza de Nossa Senhora, que nasceu e viveu sem pecado, sempre amável e dócil a Deus.


Não pensemos que para Maria tudo foi um “mar de rosas”. Permanecer com Deus não resolve magicamente os problemas. Depois da visita do anjo ela ficou numa situação muito delicada e sozinha. Como seria enfrentar os pais, José e a comunidade? Mas diante dos desafios, Maria tem confiança em Deus. Tem confiança e está convicta que com o Senhor, tudo dará certo. Maria não se faz escrava dos problemas, ora e confia. Quantas vezes ela deve ter repetido em suas orações “eis-me”! “Eis-me” é a palavra. “Eis-me” é a oração. 


Neste domingo, através das EVPs (Equipes Vocacionais Paroquiais), organizemos bons momentos de oração favorecendo que nossas crianças e jovens possam inspirar-se sempre no “Eis-me” de Maria.

 
Indique a um amigo
 
 
Notícias relacionadas