FECHAR
 
 
Diáconos Permanentes

Uma Igreja é completa quando possui todos os ministérios. Nossa Diocese de Uruguaiana tem a alegria e a bênção de contar novamente com a presença, ação e testemunho dos Diáconos Permanentes. Este serviço de homens solteiros, casados ou viúvos estava ausente em nossa eclesialidade diocesana.


Ainda neste 2021 teremos quatro ordenações em nossa Diocese. No dia 9 de novembro, ordenaremos, em São Borja, paróquia do centro, o primeiro diácono deste novo tempo: o Sr. João Luiz Appel. A segunda ordenação será em Uruguaiana, dia 14 de novembro, na paróquia São Miguel, do Sr. Adir Mariano. As outras duas ordenações serão em Santiago, dia 4 de dezembro, dos Srs. João Ricardo da Silva Delevatti e Edisson Rogerio Peruzzi.


O Diácono Permanente, em nossa Igreja, tem a missão essencial de ser servidor. Serviço é a palavra-chave para compreender este ministério e carisma. O Papa Francisco chama os diáconos permanentes de guardas do serviço na Igreja: “o serviço à Palavra, o serviço no Altar, o serviço aos Pobres. E a vossa missão, a missão do diácono, e o seu contributo consistem nisto: em recordar a todos nós que a fé, nas suas diversas expressões — a liturgia comunitária, a oração pessoal, as diversas formas de caridade — e nos seus vários estados de vida — laical, clerical, familiar — possui uma dimensão essencial de serviço. O serviço a Deus e aos irmãos. E quanto caminho há a percorrer neste sentido! Vós sois os guardas do serviço na Igreja” (Papa Francisco, 25 de março de 2017).


O Diaconato Permanente serve em três dimensões: diaconia da caridade, da Palavra e da liturgia. Na diaconia da caridade, ele testemunha a presença viva da caridade de toda a Igreja. Vai ao encontro das pessoas, fazendo-se um servidor de todos, se identificando com suas dores, fazendo-se apóstolo da caridade com os pobres. Em razão da graça sacramental e da missão canônica, compete ao diácono administrar os bens e as obras de caridade e enriquecer a promoção social da Igreja. 


Na diaconia da Palavra, o diácono dá testemunho de ser um ouvinte assíduo e convicto do Evangelho. Ele fala e testemunha o que vive e se faz servo da Palavra que anuncia. Isso exigirá dele permanente empenho para a multiplicar as pequenas comunidades e a criação da cultura da leitura orante da Palavra de Deus nas famílias, nos ambientes de trabalho e nos diferentes espaços da sociedade humana. 


Na diaconia da liturgia apresenta-se como um servidor do altar. O diácono pode ministrar os sacramentos do Batismo e do Matrimônio, dar bençãos, dar a benção do Santíssimo Sacramento, presidir a celebração da Palavra, distribuir a sagrada comunhão e fazer pregações.

Depois de terem sido escolhidos pelas comunidades e de um período de intensa formação acadêmica e convivencial, estes candidatos estão prontos para serem ordenados. Os diáconos permanentes são esperança para nossa Diocese. No clima do Ano Vocacional Diocesano, oremos ao Senhor da Messe que nos envie estes operários e tantos outros de que necessitamos.


 
Indique a um amigo
 
 
Notícias relacionadas