FECHAR
 
 
Pentecostes

Encerramos o tempo pascal com a chegada da Festa da efusão do Espírito Santo aos apóstolos, significando tempos novos na história da salvação. A missão de Jesus Cristo passa a ser confiada à Igreja, que se torna evangelizadora e defensora do Reino de Deus. Ela tem a missão de anunciar a totalidade da Palavra de Deus no mundo e é assistida, sustentada e animada pelo Espírito do Senhor, o Espírito Santo, o Paráclito, o Advogado: a Alma da Igreja.


A solenidade de Pentecostes é, então, para nós, um marco, no qual vemos o surgimento da Igreja.


A palavra Pentecostes significa “quinquagésimo”, em referência aos 50 dias após a Páscoa. Comemoramos nesta solenidade o envio do Espírito Santo à Igreja, em cumprimento à promessa de Jesus: “Quando vier o Paráclito, que vos enviarei da parte do Pai, o Espírito da Verdade que vem do Pai, ele dará testemunho de mim e vós também dareis testemunho” (Jo 15,26-27). Dessa maneira, o Espírito foi enviado sobre os Apóstolos e Cristo está presente na Igreja, que é continuadora da sua missão.


Com o Pentecostes começa o trabalho de ação evangelizadora da Igreja, porque ela se torna sinal e instrumento verdadeiro para elevar a vida das pessoas na busca da santidade. O medo dos apóstolos quando estavam reunidos, as portas fechadas no Cenáculo, significam a fragilidade da Igreja, porque ela é formada por pessoas humanas.


Jesus entra no Cenáculo e conforta os discípulos com o anúncio da paz, dizendo mais de uma vez: “a paz esteja convosco”, tenham coragem, “eis que estou convosco todos os dias, até o fim dos tempos” (cf. Mt 28,20). Essa é a garantia e a força da Igreja, porque não caminha sozinha, mas amparada pelo próprio Cristo.


Desde o início do processo da evangelização a Igreja tem a missão de enfrentar o egoísmo, as injustiças, as guerras e as violências que assolam a humanidade. Ela é um novo sopro divino e de paz para as novas gerações, principalmente para construir, no meio de tantos conflitos, a cultura da paz desejo do Cristo Ressuscitado.


A grande referência da Igreja é a da Palavra de Deus. Ela tem uma universalidade e quer atingir a todas as pessoas como agente de comunicação. Ela é inspirada e transmitida com a força do Espírito Santo, para transformar a prática de vida das pessoas. Através dos serviços prestados gratuitamente, os discípulos missionários do Ressuscitado formam um verdadeiro corpo eclesial, revelando o dinamismo do Espírito Santo para o bem de todos.


Na segunda-feira após o Domingo de Pentecostes, reinicia na Liturgia o tempo chamado “Comum”, que nos recorda que levamos adiante essa missão recebida, mas que o Senhor continua conosco e temos em nossas vidas a ação do Espírito Santo que nos ilumina, fortalece e conduz. Eis a oportunidade para respondermos generosamente ao Senhor que nos chama para a missão.


Dom José Mário S. Angonese

Bispo Diocesano



 
Indique a um amigo