FECHAR
 
 
Padres da Diocese participam do Retiro Anual do Presbitério pela primeira vez de maneira on-line

Todos os anos os padres da Diocese se reúnem para um período de pausa nas atividades do ministério, lazer, oração e reflexão. É o Retiro Anual do Presbitério, muito importante para que os padres possam se reabastecer na espiritualidade da vocação. Neste ano, devido a pandemia do Covid-19, os padres fizeram essa experiência de retiro de uma forma totalmente inédita, pela internet. O retiro on-line aconteceu nos dias 07, 08, 09 e 10 deste mês de setembro, pela plataforma Zoom, e teve como pregador o padre Rudinei Lasch, Presidente da Comissão Regional de Presbíteros do Sul 3 e Reitor do Seminário Maior Maria, Mãe do Redentor, da Diocese de Cachoeira do Sul.

No primeiro dia de retiro os padres participaram virtualmente de uma Missa transmitida ao vivo direto do Seminário Maior Nossa Senhora Conquistadora, da Diocese de Uruguaiana, como abertura oficial destes dias de reflexão. A partir do segundo dia aconteceram as meditações, sempre pela parte da manhã, e a noite os padres retornavam a se reunir para oração do terço, adoração ao Santíssimo e partilha do que haviam experimentado ao longo do dia sobre as meditações.

"Presbíteros: comunhão e missão"

Padre Rudinei fundamentou a sua reflexão durante o retiro no texto-base do 18º Encontro Nacional de Presbíteros, que acontecerá no ano que vem, com o tema: "Presbíteros: comunhão e missão" e com a inspiração das passagens do Evangelho "Vós sois todos irmãos" (Mt 23, 8), e "Vinde a mim, todos os que estais cansados e carregados dos fardos, e eu vos darei descanso" (Mt 11, 28).

"O presbítero é chamado a se configurar a Cristo, assumindo na sua vida a missão do Bom Pastor, na perspectiva da comunhão, do acolhimento e do cuidado. Além de cuidar do rebanho, somos convidados a cuidar de nós mesmos e permitir que outros nos cuidem. Neste processo de configuração, o presbítero é chamado à santidade.", destacou padre Rudinei ao falar da importância de um retiro para o clero.

Presbítero ponte

O Presidente da Comissão Regional de Presbíteros, meditando sobre o texto-base do 18º ENP, comentou sobre a necessidade do presbítero ser uma ponte em um mundo tão dividido atualmente e que por isso, o padre não pode estar desconectado de Deus e nem da realidade, para poder ligar as pessoas entre elas e com Deus. "O presbítero no pós-pandemia precisará ser ainda mais um homem da proximidade. Ser ponte em meio a um ambiente em que o diferente é visto como inimigo", comentou o pregador.

Atento as mediações e angústias

Superar as mediações que não levam o padre a conduzir a si mesmo e as pessoas para uma experiência profunda com Deus, devem ser superadas, enfatizou padre Rudinei. A pergunta "como chegar até Deus?" deve ser renovada constantemente para que não se tenha equívocos nas estruturas escolhidas para este caminho. Um ponto muito importante também é estar atento as angústias agora mais visíveis pela pandemia, como a pobreza, a violência e a indiferença. O presbítero precisa ser uma testemunha viva de superação destas angústias no mundo, exercendo principalmente a caridade pastoral.

Mística do cuidado

"O cuidado só surge quando a existência de alguém é importante para nós", meditou padre Rudinei ao falar do presbítero que deve cuidar de si e do rebanho. Cada vez mais o cuidado deve estar em destaque na vida do padre, como um ministro do Deus que percebe as necessidades do outro, dedica tempo e é misericordioso. "Os novos presbíteros vão se destacar não mais pela oratória, mas pela capacidade de cuidar", comentou.

 
Indique a um amigo
 
 
Notícias relacionadas