FECHAR
 
 
Entrevista com o Assessor da 26ª Jornada Diocesana da Animação Bíblico-Catequética

Padre Humberto Robson de Carvalho que irá assessorar a 26ª Jornada Diocesana da Animação Bíblico-Catequética, no dia 08 de julho, na Paróquia São José, em Alegrete, concedeu uma entrevista para o site da Diocese. 

Confira abaixo a entrevista na íntegra:

Diocese: Padre Humberto, o senhor é natural de onde? Qual a sua formação? Onde exerce o seu ministério? A quais atividades se dedica?

Padre Humberto: Sou do interior de São Paulo (Pindamonhangaba) e pertenço ao clero da Arquidiocese de São Paulo. Sou pároco da Paróquia Nossa Senhora dos Prazeres – Região Episcopal Santana – Zona Norte de São Paulo. Sou coordenador da Área Pastoral Tucuruvi. Sou mestre em Educação, especialista em Catequese, Espiritualidade e Liturgia, graduado em Filosofia, Pedagogia e Teologia. Coordenador dos cursos de pós-graduação em Catequese e Espiritualidade do Centro Universitário Salesiano de São Paulo – UNISAL – (Campus Pio XI). Publiquei alguns artigos em revistas nacionais e, pela Paulus, os livros: Elementos fundamentais da espiritualidade do catequista, Missa: celebração do mistério pascal de Jesus, Ministério do catequista: elementos básicos para a formação, Paróquia missionária: projeto de evangelização e missão na cidade, Bíblia: palavra que transforma a vida dos catequistas, Espiritualidade do padre diocesano, Creio: a profissão de fé explicada aos catequistas e Liturgia: elementos básicos para a formação de catequistas.

Diocese: Como comecçou o seu envolvimento com a catequese?

Padre Humberto: O envolvimento com a catequese começou desde o tempo de seminarista. Sempre dediquei parte da minha vida aos catequistas. Quando cheguei à Arquidiocese, dom Joel Ivo Catapan, que era bispo auxiliar para a Região Episcopal Santana, me chamou para trabalhar com ele na catequese. Foi a partir de 2010 que comecei a publicar nessa área.

Diocese: No seu livro “Ministério do Catequista”, o senhor diz que a catequese se serve do método dedutivo e indutivo para educar na fé. O que significa esse método?

Padre Humberto: A palavra “método” vem do grego e significa caminho. A catequese se serve do método dedutivo e indutivo. O método dedutivo parte de um dado mais amplo ou geral como a Bíblia, a Doutrina, as formulações litúrgicas para dele deduzir as conclusões práticas, específicas e particulares para a vida de cada um. O método indutivo, por sua vez, parte do particular para o geral, isto é, parte das situações, das inquietações humanas e experiências religiosas para chegar às respostas e às formulações da fé. Pode-se afirmar que na catequese um método não exclui o outro.

Diocese: O senhor tem um livro chamado “Elementos fundamentais da espiritualidade do catequista”. Qual a importância da espiritualidade no ministério do catequista?

Padre Humberto: O quinto capítulo da Constituição Dogmática Lumen Gentium, sobre a vocação universal à santidade na Igreja, convoca todos os cristãos à santidade e, por isso, nos inspira e nos insere no contexto da espiritualidade. O papa Francisco acabou de escrever uma Carta Apostólica sobre o chamado à santidade no mundo atual (Gaudete et Exultate). Somos chamados, a exemplo de Jesus Cristo, a viver a santidade traduzida nas mais diversas realidades e situações da vida. A ordem de Jesus é simples e clara: ser perfeito como o Pai é perfeito. O catequista, a exemplo de Cristo, deve, em primeiro lugar, ser testemunha da santidade e possuir uma autêntica e robusta espiritualidade. A espiritualidade do catequista marca o seu próprio ser e, por isso, ele vive a totalidade de suas ações numa atitude de fé e comprometimento com o próximo. A espiritualidade colaborará na vida do catequista a ponto de ser e propicia que ele viva a totalidade de suas ações numa atitude de fé e comprometimento com o próximo. A espiritualidade faz do catequista um mistagogo, isto é, aquele que faz um caminho com o outro, que é capaz de tomá-lo pela mão e conduzi-lo aos mistérios da fé, sobretudo quando são celebrados na Sagrada Liturgia, para o encontro pessoal com Jesus Cristo, Mestre e Senhor. 

Diocese: Deixe um recado para os catequistas da Diocese de Uruguaiana, que lhe aguardam dia 08 de julho, na cidade de Alegrete, para a 26ª Jornada Diocesana da Animação Bíblico-Catequética.

Padre Humberto: Quero pedir licença aos fiéis da Diocese de Uruguaiana, particularmente aos catequistas, para que eu possa entrar no coração e na vida de todos eles. Tenho tido a graça de, nesses últimos três anos, por meio do nosso estimado gerente da Paulus de Porto Alegre, o sr. Romeo Prior, fazer-me presente em várias dioceses do Estado do Rio Grande do Sul para formação de catequistas, seminaristas e padres. Essa experiência tem me enriquecido na missão e na vocação. Desejo, de todo coração, que o nosso encontro ajude você, querida irmã e querido irmão catequista, a amadurecer o sentido de pertença à Igreja, sua vocação, o seu ministério, à sua missão na comunidade e aprofundar o seu compromisso com o crescimento da fé e a evangelização das pessoas que buscam a iniciação à vida cristã na comunidade paroquial da qual faze parte. Coragem!

 
Indique a um amigo
 
 
Notícias relacionadas