FECHAR
 
 
Direção para a Igreja Católica no Brasil

Nos dias 1º a 10 de maio último, os bispos católicos do Brasil estiveram reunidos em Assembleia Geral, a de número 57, em Aparecida (SP). O tema central da Assembleia foi a elaboração de novas Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil para o próximo quadriênio (2019 a 2023). As Diretrizes, como o nome já define, são direções que orientarão a caminhada evangelizadora de toda a Igreja no Brasil, nos próximos quatro anos.


As Diretrizes são um novo chamado de retorno às fontes para olhar a experiência das comunidades primitivas e inspirados por elas formar, na nossa realidade, comunidades de Igreja que sejam vivas e missionárias.


O padre Manoel de Oliveira Filho, membro da Comissão do Texto Central, falou ao portal da CNBB: “Que essas comunidades eclesiais missionárias tenham jeito de casa, de acolhida, não uma coisa estática de paredes simplesmente, ou da estrutura física. Mas, acima de tudo as Diretrizes falam de um jeito de ser, de uma postura que lembre, evoque a ideia da casa que acolhe, que é espaço de ternura e misericórdia”.


Os quatro pilares, na proposta das Diretrizes partem da realidade física da casa, que é sustentada por quatro pilares. O primeiro pilar é a Palavra de Deus e a iniciação à vida cristã; o segundo, é o pilar do Pão, que é a casa sustentada pela liturgia e na espiritualidade. O terceiro pilar é a Caridade, que é a casa sustentada sobre o acolhimento fraterno e sobre o cuidado com as pessoas, especialmente as mais frágeis, excluídas e invisíveis; e o quarto, o pilar da Missão porque é impossível fazer uma experiência profunda com Deus na comunidade eclesial que não leve, inevitavelmente, à vida missionária.


As novas Diretrizes partem de uma perspectiva de encontro com Deus e com os irmãos, numa dinâmica de acolhida, de portas abertas, de ir ao encontro para formar as comunidades.


As Igrejas e as comunidades podem estar em qualquer lugar: nos condomínios, nas praças, nas atividades profissionais. Mas, também, nas paróquias, comunidades, nos colégios católicos, nas obras sociais, nos grupos de oração e reflexão.


Conforme as Diretrizes, a vivência cristã se caracteriza, muito além de um conjunto de ideias e ritos, pelo anúncio de um jeito novo de ser e de viver. A fé cristã é um caminho a ser percorrido; é seguir, na história de nossa vida, uma pessoa: Jesus Cristo.


Toda a vida eclesial precisa entrar na direção apontada pelas Diretrizes. Acreditar no projeto e seguir este caminho. Com toda a vida da Igreja, somos desafiados a fazer um caminho de conversão, ler e estudar as novas Diretrizes, colocá-las na mente e no coração para que se transformem numa bonita e divina realidade.


A CNBB apresenta diretrizes gerais, não propõe um plano; este deve ser feito por cada instância da Igreja, nas diferentes realidades. Precisamos, juntos, percorrer e construir o caminho.


Dom José Mário S. Angonese

Bispo Diocesano


 
Indique a um amigo
 
 
Notícias relacionadas